HUT alerta população para o aumento de mais de 30% no atendimento de vítimas de quedas


O número de atendimento de vítimas de quedas é cada vez maior no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). As principais vítimas estão entre os idosos e crianças por conta, principalmente, de quedas do mesmo nível em que o equilíbrio se torna fator determinante. No primeiro trimestre deste ano o setor de estatística do HUT registrou um aumento de 31,5% no número de vítimas de queda. Até 31 de março, deste ano, foram atendidas 1.644 pessoas de todas as idades, porém mais de 50% foram idosos e crianças de até 12 anos. Em 2017 foram 1.252 atendimentos de vítimas de queda.

Vítima de queda da mesma altura a paciente Maria Lima, de 80 anos, da cidade de São João da Serra do Piauí, fraturou o ombro esquerdo e está internada no HUT para realizar a cirurgia. De acordo com a paciente a queda aconteceu na rua quando tentava subir uma calçada. “Estava voltando da missa em minha cidade e resolvi sair do calçamento para caminhar na calçada. Quando fui subir uma calçada mais alta topei e me desequilibrei. Foi uma queda muito grande e senti muita dor. Agora terei mais cuidado e estou pensando em usar uma bengala para me apoiar melhor”, explicou Maria.

Segundo Gilberto Albuquerque, diretor geral do HUT, é preciso ter mais atenção, especialmente, com as pessoas nessas faixas etárias, pois possuem uma maior fragilidade da parte óssea e dependendo da gravidade da queda pode ser fatal.

“Com o tempo perdemos o poder de equilíbrio do nosso corpo e, além disso, nossos ossos se tornam mais frágeis devido a perda de capacidade de absorver nutrientes, que é natural acontecer com o tempo. As crianças que estão em fase de crescimento, a parte óssea ainda é muito frágil. Portanto uma queda pode ser muito mais prejudicial em idosos e crianças do que em um adulto jovem. É preciso ter mais atenção com esses dois grupos”, destacou o diretor.

Dentre os tipos de quedas que dão entrada no HUT a do mesmo nível está sempre em primeiro lugar com relação aos outros tipos. Em 2018, por exemplo, foram atendidas 1.082 vítimas de queda do mesmo nível, seguida por 234 de outras alturas, 100 de leito ou rede 96 de objetos sobre a pessoa, 65 de escada, 29 de telhado, 19 de andaime e 19 quedas de outras mobílias.

Levando em consideração apenas o atendimento de idosos na urgência do HUT foram realizados 386 atendimentos de vítimas de queda do mesmo nível, 37 de leito ou rede, 21 de outras alturas, 12 de escada, 4 de outras mobílias, 3 de andaime e 3 de telhado. Com relação às crianças, também em 2018, foram 188 atendimentos de queda do mesmo nível, 122 de outras alturas, 41 de rede, 20 de objetos sobre a pessoa, 7 de outras mobílias, 5 de escada e dois de andaime.

Gilberto Albuquerque ressaltou ainda que esse tipo de atendimento só é possível porque o HUT mantém uma equipe especializada em trauma 24 horas. “Temos cirurgiões, neurocirurgiões, bucomaxilos e muitos outros especialistas que compõem a equipe do trauma. Além disso, mantemos nossas nove salas do centro cirúrgico funcionando 24 horas para atender os casos mais graves, com risco iminente de morte, disse.

 

Fonte: Ascom Prefeitura de Teresina