Mutirão de Cirurgias: primeira etapa atende 130 pacientes


A dona de casa Gleiciane Oliveira, da Cabeceiras, levou seu filho para operar de fimose, neste sábado, 4, no Hospital Regional de Campo Maior.  A criança foi uma das 130 pacientes submetidas a procedimento cirúrgico pelo I Mutirão de Cirurgias Eletivas da Secretaria de Estado da Saúde, que iniciou na última sexta, 3, em quatro unidades hospitalares tanto na capital como no interior. A meta é atender, até o final deste ano, 2.000 pessoas em diversas especialidades médicas.

cirurgia eletivsa 1

De forma rápida e resolutiva, o paciente que precisa passar por uma cirurgia indicada pelo médico ainda na unidade de saúde do seu município, leva a solicitação para a Secretaria Municipal de Saúde de onde reside e de lá, os técnicos encaminham para o Hospital de referência as demandas cirúrgicas. Esses agendamentos, muitas vezes, estavam programados há bastante tempo. Com o mutirão simultâneo, em média, 130 pessoas serão atendidas nos finais de semana e feriados, em 10 unidades hospitalares.

“Tudo está sendo bastante rápido. Levei encaminhamento ao posto de saúde da minha cidade e agora estamos aqui. Gostei dessa iniciativa do Governo do Estado”, reconhece Gleiciane, durante o atendimento no Hospital de Campo Maior.

O secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, visitou dois dos quatro hospitais que realizaram procedimentos neste final de semana: o de Campo Maior e o da Polícia Militar, em Teresina. “Conversei com os pacientes e seus familiares e nos alegra saber que esse mutirão está antecipando algumas cirurgias que estavam marcadas para fevereiro de 2018”, disse o secretário, agradecendo ainda pelo empenho e dedicação dos profissionais de saúde na mobilização, planejamento e execução dos mutirões, “O que vai poder atender 2.000 pacientes até o dia 31 de dezembro, em dez hospitais de nossa rede estadual”, afirmou.

A primeira etapa do mutirão foi realizada na sexta (3) e sábado (4), atendendo 130 pacientes em cirurgias como gerais, ortopédicas, pediátricas e ginecológicas. Além das cirurgias, mais de 150 pacientes passarão por consultas ambulatoriais para triagem e marcação dos procedimentos. Os procedimentos foram realizados nos Hospitais da Polícia Militar (HPM), em Teresina; o Estadual Gerson Castelo Branco, em Luzilândia; o Estadual Júlio Hartman, em Esperantina; e o Regional de Campo Maior.

De acordo com o diretor geral do HPM, Coronel George Araújo, o mutirão ocorreu dentro das expectativas, com 30 pacientes atendidos. “No próximo final de semana, teremos mais 30 cirurgias, sem mencionar as que fazemos na nossa rotina hospitalar”, afirma.

A diretora do Hospital de Campo Maior, Jardenia Ribeiro, também avaliou como positiva a primeira etapa do Mutirão. “Encerramos as atividades com todos os procedimentos executados, com 100% de atividades concluídas e sem nenhuma intercorrência”.

No próximo final de semana, entre os dias 10 a 12 de novembro, os hospitais continuarão a segunda etapa do Mutirão de Cirurgias Eletivas. O calendário dos procedimentos e onde serão realizados será apresentado na próxima terça, dia 7.

Hospitais que integram o I Mutirão de Cirurgias Eletivas 
Hospital Estadual Dirceu Arcoverde(HEDA) – Parnaíba – Cirurgias de catarata
Hospital Estadual Gerson Castelo Branco – Luzilândia – Cirurgias gerais e ginecológicas
Hospital Estadual Júlio Hartman – Esperantina – Cirurgias gerais e ginecológicas
Hospital Regional de Campo Maior – Cirurgias gerais, ginecológicas, pediátricas e ortopédicas
Hospital da Polícia Militar(HPM) – Teresina – Cirurgias gerais, ginecológicas e ortopédicas
Hospital Estadual Deolindo Couto – Oeiras – Cirurgias gerais, ginecológicas, pediátricas e ortopédicas
Hospital Estadual Teresinha Nunes Barros – São João do Piauí – Cirurgias gerais e ginecológicas
Hospital Estadual Manoel de Sousa Santos – Bom Jesus – Cirurgias gerais e ginecológicas
Hospital Estadual Dr. João Pacheco Cavalcante – Corrente – Cirurgias gerais e ginecológicas
Hospital Estadual de Buriti dos Lopes – Cirurgias de catarata

 

Fonte: CCom Piaui