Piauí segue com queda nos casos de dengue e aumento da chikungunya


A Sala Estadual de Coordenação e Controle das Ações de Enfrentamento à Microcefalia, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) faz um alerta à população e aos municípios do estado para dar sequência ao combate ao Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Coordenação de Vigilância em Saúde Ambiental, de janeiro a 24 de agosto de 2017, o Piauí notificou 4.540 casos de chikungunya, um aumento de 129,9% em relação ao mesmo período do ano passado, em que registrou 1.975 casos.

O coordenador do Programa da Dengue na Sesapi, Antônio Manuel Araújo, enfatiza que “o combate ao mosquito depende da mobilização da população em tomar os cuidados básicos, como manter bem tampados caixas e reservatórios de água, não jogue lixo em terrenos baldios e não deixar a água da chuva acumular sobre a laje e calhas entupidas”.

Para os gestores municipais, Manuel Araújo fala da importância de registrar as notificações das doenças no sistema de saúde, “para que a secretaria tome conhecimento da real situação da área e dar apoio às equipes municipais de endemia para combate e prevenção”.

Os municípios que registraram maior incidência da chikungunya por 100 mil habitantes foram São Raimundo Nonato (1.781,0), Cajueiro da Praia (1.717,9), Várzea Branca (981,8), Luís Correia (835,6) e Arraial (663,8).

As notificações da dengue foram 3.752 casos, uma redução de 12%, quando comparado ao mesmo período de 2016. Os registros foram em 121 municípios piauienses, em 12 deles foi registrada alta incidência da doença e dengue com sinal de alarme em sete cidades. Teresina (2.161), Floriano (167), São Raimundo Nonato (166), Pedro II (162) e Oeiras (151) apresentaram maior número de casos prováveis notificados.

Os casos de zika vírus foram 147, as notificações ocorreram em 13 municípios.

Confira o Boletim Epidemiológico

 

Fonte: CCom Piauí