Mobieduca.me é finalista em prêmio nacional


O programa Mobieduca.me, em uso pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para o monitoramento da frequência escolar, está entre os 12 projetos finalistas para concorrer ao prêmio nacional e-Gov, iniciativa da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep) e pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

mobieduca

A premiação, criada em 2002, é entregue anualmente e tem como objetivos reconhecer e incentivar o desenvolvimento de projetos e soluções de governo eletrônico na administração pública federal, estadual e municipal, assim como divulgar as iniciativas que, com o uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação, modernizam a gestão pública em benefício do cidadão brasileiro.

Os ganhadores do 16º Prêmio E-Gov serão conhecidos durante a 45ª edição do Seminário Nacional de TIC para a Gestão Pública (Secop), que será realizada de 13 a 15 de setembro de 2017, em Porto de Galinhas (PE).

Para a diretora da Unidade de Gestão e Inspeção (Ugie), Ana Rejane Barros, o reconhecimento é justo, pois o Mobieduca.me vem reduzindo os índices de evasão escolar de forma extraordinária. “A experiência com o Mobieduca.me garantiu à Seduc uma redução de 75% na evasão escolar nas escolas em que estava funcionando, o que faz do sistema um aliado da escola e dos pais no que se refere à garantia da permanência dos alunos em sala de aula”, diz Ana Rejane.

O programa

Integrando consultoria tecnológica e pedagógica de acompanhamento escolar, o sistema Mobieduca.me traz grandes benefícios para a educação no estado, combatendo a evasão escolar e o bullying.

Até 2016, a tecnologia estava presente em 127 escolas. No início deste ano, mais de 335 escolas possuem este benefício. De acordo com a secretária de Estado da Educação, Rejane Dias, até o fim do ano, mais de 150 mil alunos estarão cobertos com essa tecnologia em todo o estado.

A estudante Joyce Mayara, aluna do segundo ano do Ensino Médio do Centro Estadual de Tempo Integral (Ceti) Professor Raldir Cavalcante Bastos, afirma que o software é bom porque auxilia os pais no acompanhamento da vida escolar dos filhos.

“Existem muitos casos em que os alunos saem de casa dizendo que vêm para a escola e não entram. Agora, os pais vão saber que não estão nas salas de aulas, que não chegaram à escola. Isso ajuda até a diminuir a violência porque vai evitar que esses jovens deixem de frequentar a escola para ficar à mercê das drogas, por exemplo”, acredita Joyce.

 

Fonte: CCom Piauí