Polícia prende dois suspeitos de ‘estupro virtual’ em Teresina


A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática prendeu dois suspeitos de participação em um esquema para a divulgação de fotos íntimas de uma mulher em Teresina. Um deles estava de posse das imagens e criou um perfil falso nas redes sociais onde chantageava a vítima.

Segundo o delegado Daniell Pires Ferreira, que preside a investigação, a mulher foi fotograda, sem o consentimento, enquanto dormia em casa.

3134f8caa6d468da52ace4fc30b3c3da

O caso ocorreu em junho deste ano, em Teresina. Os suspeitos foram presos nesta sexta-feira (04), em cumprimento a mandados de prisão temporária. Durante a ação policial também foi cumprido um mandado de busca e apreensão.

Foram apreendidos celulares, pen drives, um CPU e outras mídias de armazenamento. O delegado explica que, de posse das fotos, o suspeito fazia graves ameaças a vítima.

“Ele criou um perfil falso em uma rede social e iniciou com a vítima um diálogo exigindo-lhe, mediante grave ameaça, novas fotografias íntimas. A grave ameaça consistia no fato do mesmo ter criado, também, outra conta falsa, essa com fotografias de familiares da vítima, inclusive de seu filho menor de idade. Além das fotografias íntimas já em seu poder, o suspeito exigia que a vítima enviasse novas fotografias para que o mesmo não divulgasse essa conta criada na internet”, explica Pires.

ed06b617cc56f3959f5c96b3a0bb15df

Ele acrescenta que, diante das graves ameaças, a vítima cedeu as chantagens do suspeito e começou a enviar novas imagens, inclusive, durante a prática de atos libidinosos, conduta que, segundo o delegado, caracteriza-se como ‘estupro virtual’.

“O estupro virtual é um neologismo, ainda quase desconhecido no Brasil, que pode ser caracterizada como uma forma de exploração sexual ou pornográfica, em troca da preservação em sigilo de imagem ou vídeo da vítima em nudez total ou parcial, ou durante relações sexuais, previamente guardadas”, explica o delegado.

Às 11h, acontece entrevista coletiva no auditório da Delegacia Geral para maiores esclarecimentos sobre o caso.

 

Fonte: Cidadeverde.com