Brasil tem uma tentativa de fraude a cada 16,8 segundos, diz Serasa


Brasil registrou 782.244 tentativas de fraude entre janeiro e maio deste ano, o equivalente a uma ocorrência a cada 16,8 segundos, mostram dados da Serasa Experian divulgados nesta terça-feira (25). O segmento de telefonia foi o mais visado, com 38,6% dos casos.

Neste tipo de golpe, os criminosos usam indevidamente os dados de consumidores para abrir contas de celulares ou comprar aparelhos. No segmento de telefonia, o golpe é uma “porta de entrada” para outras fraudes de maior valor.

Os golpistas costumam comprar telefones para ganhar um comprovante de residência e, assim, abrir contas em bancos para pegar talões de cheque, pedir cartões de crédito e fazer empréstimos bancários em nome de outras pessoas.

Nome sujo

A analista de recursos humanos Luana da Silva Barbosa está com o nome sujo desde o começo do ano por causa deste tipo de crime. Ela recebeu um e-mail de uma loja onde faz compras com uma nota fiscal de um aparelho celular que custou em torno de R$ 1.500,

“Achei estranho que eu não tinha feito nenhuma compra naquela loja. Então liguei pra lá pra poder dizer que se tratava de engano e realmente fizeram uma compra numa loja física em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, num local onde nunca estive na minha vida”, conta.

Essa não foi a única compra feita em nome de Luana naquele endereço. Ela passou a receber as faturas de mais cinco linhas telefônicas que nunca contratou, algumas passavam de R$ 2 mil.

O endereço das faturas emitidas no nome da Luana, que mora na zona norte de São Paulo, coincide com uma rua de terra na zona rural do Mato Grosso do Sul. O autor da fraude chegou a assinar pessoalmente um dos contratos com uma letra bem diferente da assinatura original de Luana.

Enquanto as empresas não se convencem do crime, ela – que está desempregada – não consegue tomar empréstimos e está sendo prejudicada nas seleções de trabalho.

“Como eu sou da área de recursos humanos, trabalho com folha de pagamento, muitas empresas têm o procedimento de consultar pra ver se não tem o nome sujo. E aí, conforme algumas constam, aí eu perco oportunidade. Então além de distribuir currículo eu tô distribuindo boletim de ocorrência e contestação de compras para poder comprovar que eu de fato não devo nada”, diz.

Segmentos mais visados

Depois da telefonia, o setor de serviços foi o segundo mais afetado, com 29,8% das tentativas de fraude. Em terceiro lugar estão os bancos e financeiras com 23,9% de participação, seguidos do varejo, com 47.452 tentativas e participação de 6,1%. Os demais segmentos representaram 1,6% do total.

Em maio deste ano, 164.988 tentativas de fraude foram aplicadas em todos os segmentos, o que representa um aumento de 19,7% em relação a abril do mesmo ano, quando o indicador apontou 137.856 tentativas. Na comparação de maio de 2017 x maio 2016, o crescimento nas tentativas foi de 12,3%.

Fonte: Agência Brasil