Empresa é autuada pelo Lixo Zero e realiza limpeza de área pública


As equipes de fiscalização do programa Lixo Zero identificaram dois pontos de descarte irregular de coco na capital, sendo um na Vila Irmã Dulce e o outro no Pólo Empresarial Sul. Entre os resíduos descartados, foram encontrados rótulos e documentos que auxiliaram na identificação da empresa. Após a autuação, a empresa foi novamente flagrada depositando lixo na região e, então, ficou definido que o responsável deveria recolher os resíduos depositados de forma irregular.

 

“O ponto da Vila Irmã Dulce é o mais crítico e é possível perceber que houve, durante muito tempo, descargas constantes deste tipo de resíduo no local, mas, por ser muito distante da zona urbana, nenhum dos fiscais conseguiu flagrar qualquer descarregamento. Até que, no começo do ano, finalmente, nossa equipe encontrou vários rótulos, garrafas vazias, além de documentos com a identificação da empresa. Desta forma, foi lavrado o auto de infração e a empresa não apresentou recurso administrativo porque o proprietário reconheceu que havia depositado os resíduos lá várias vezes”, conta o coordenador do Programa Lixo Zero, Felipe Gomes.

 

Novamente, equipes de fiscalização identificaram pontos de descarte irregular de coco na área do Polo Empresarial Sul. “Mais uma vez encontramos documentos que identificavam a mesma empresa e, então, fizemos um segundo auto de infração. Considerando a gravidade dos fatos, encaminhamos o caso ao Ministério Público. A audiência aconteceu neste mês e definiu que a empresa deveria recolher os resíduos depositados na Vila Irmã Dulce”, conta Felipe.

 

O coordenador do programa esclarece que, em relação ao Polo Empresarial Sul, a empresa alegou que não é a autora da infração. Por conta disso, o trabalho de limpeza e retirada dos resíduos deve acontecer apenas no ponto da Vila Irmã Dulce. “Também estamos buscando identificar o proprietário do terreno, para que o mesmo adote as providências cabíveis no sentido de murar o terreno a fim de inibir as práticas de descarte irregular”, finaliza Felipe Gomes.

 

A empresa autuada já deu início à limpeza e terá o prazo de 20 dias para retirar os cocos do local irregular para descartar no aterro sanitário. O trabalho de recolhimento até a destinação final está sendo acompanhado pela equipe do Programa Lixo Zero.

Ascom