Casa de Custódia recebe projeto de combate à dependência química


Com a proposta de atenção psicológica humanizada, a Secretaria de Justiça do Piauí, em parceria com a Secretaria de Saúde, implantou, nesta terça (27), na Casa de Custódia de Teresina, o projeto Nortear, cuja abordagem visa a melhoria da saúde de pessoas privadas de liberdade que estão em processo de abstinência de substância psicoativas.

O lançamento do Nortear – que já atende a detentos da Colônia Agrícola Penal Major César Oliveira, no município de Altos, e na Penitenciária Irmão Guido, na capital – integra a programação de atividades em alusão à Semana Estadual de Políticas sobre Drogas no sistema prisional e contou, ainda, com palestra sobre Drogas e Criminalidade, ministrada pelo promotor de justiça, Mário Normando.

“Nossa intenção foi levar uma palavra de apoio e incentivo para todos que se envolveram com as drogas e desejam sair do vício. Com esse projeto, além do suporte da família, contamos com o que o Estado pode propor, por meio desse projeto que pode auxiliar as pessoas a abandonar as drogas e a criminalidade”, explica o promotor.

Carlos Edilson Sousa pontua que o Nortear é uma ferramenta que objetiva um melhor convívio dentro da unidade e fortalece o processo de ressocialização. “Hoje, estamos implantando esse projeto que vai trabalhar não apenas a abstinência e a dependência da droga, mas também o alcoolismo”, afirma.

A coordenadora de Psicologia Prisional da Secretaria de Justiça, Olívia Normando, destaca que o Nortear alerta os detentos para a dependência química, ampliando o diálogo para combater o problema. “Com a dependência, o consumo de drogas passa a ser automático e o projeto busca trazer uma nova consciência, fazendo com que as pessoas parem para pensar sobre o ato de consumir a droga de forma mecânica”, diz.

A coordenadora pontua que, embora tenha sido elaborado pelo setor de Psicologia, o projeto contempla todas as áreas de humanização no sistema prisional. O Nortear acontece em ciclos de 10 semanas com encontros semanais individuais e grupais, onde há, também, palestras com enfermeiras e orientação espiritual.

Drogas e celulares são incinerados

Durante o evento, a gerência da Casa de Custódia incinerou 1,2 kg de maconha, 500g de crack e cocaína e destruíram 162 celulares, baterias e pilhas, material ilícito apreendido pelos agentes de segurança prisional durante um ano de trabalho no presídio.

O gerente da unidade, tenente Jean Carlo bezerra, reforça que a Casa de Custódia continuará intensificando as medidas de segurança, aperfeiçoando os procedimentos de vistoria e revista, atuando de forma preventiva contra a entrada de objetos.

Jean Carlo também enalteceu a importância do projeto Nortear. “É um projeto que atua na vontade que muitos detentos têm de sair dessa situação de dependência. Eles serão atendidos por uma equipe com assistentes sociais, enfermeiros e psicólogos que começarão a trabalhar de imediato”, observa.

 

 

CCom