“Circunstâncias da vida” tiraram Messi do Real Madrid; saiba como foi o início de tudo


No dia 24 de junho, Lionel Messi completa 30 anos de vida. Quase todos dedicados ao futebol, de uma maneira única, bem pessoal, e uma carreira atrelada ao Barcelona que o alçou ao status de um dos melhores jogadores de futebol da história. Mas, e se uma das histórias mais conhecidas do craque tivesse sido diferente? E se Messi, em vez do Barça, fosse para o Real Madrid? Isso chegou a ser possível e o GloboEsporte.com conta essa história, que dá o pontapé inicial para uma série de reportagens e conteúdos especiais sobre a estrela argentina. Neste sábado, um infográfico mostrará detalhes de toda a trajetória e curiosidades sobre “La Pulga”.

Em setembro de 2000, Messi era apenas um garoto de 13 anos, baixinho e franzino, que desembarcou em Barcelona para dar o primeiro passo de uma carreira de sucesso extraordinário. Deixou Rosario na companhia do pai, Jorge Messi, e de um sócio de Horacio Gaggioli, o personagem central desta matéria. Horacio, um empresário também de Rosario e que àquela época já trabalhava com futebol, estava no aeroporto à espera daquele jovem talento, um conterrâneo de quem muito tinha ouvido falar. Dizem que a primeira impressão é a que fica, mas não foi o caso.

– Quando eu o vi no aeroporto, achei que aquele garoto não poderia ser jogador, porque era muito pequeno e magrinho. Não tive uma boa impressão. Mas quando o vi treinar nos campos do Barça, me dei conta de que era um grande jogador, que poderia jogar sem dúvida alguma – disse, em entrevista ao GloboEsporte.com.

Messi, ainda criança em Rosario, jogando bola com a camisa do Newell's Old Boys (Foto: Reprodução)

Messi, ainda criança em Rosario, jogando bola com a camisa do Newell’s Old Boys (Foto: Reprodução)

Messi fez testes no Barça e impressionou os catalães, mas seu porte físico colocaca uma grande dúvida na cabeça dos dirigentes do Barcelona. Valia a pena o risco? O investimento?

Após duas semanas de treinos, Messi, o pai e o sócio voltaram à Argentina. Horacio, que permaneceu em Barcelona, ficou encarregado de seguir as conversas com o Barça. Muita gente do clube não queria que aquele garotinho magrelo fosse contratado. Outros, como o então secretário técnico Carles Rexach, mostravam-se interessados. O tempo foi passando, e nada.

Quase três meses depois, a turma retornou a Barcelona decidida a obter uma resposta: sim ou não. Reunidos em uma mesa de restaurante no dia 14 de dezembro, disseram aos catalães que não poderiam esperar mais e que estavam prestes a levar Messi a outro clube. Foi aí que Rexach chamou o garçom e pediu o guardanapo que mudaria a história do Barça para sempre. Sacou uma caneta para redigir e assinar o contrato.

Isso mesmo, um contrato de guardanapo, que até hoje está em posse de Horario Gaggioli. Como uma das testemunhas e intermediário do negócio, guardou o pedaço de papel com cuidado. E não é que acabou virando uma baita relíquia? Atualmente, ele o mantém enquadrado e guardado no caixa-forte de um banco de Barcelona.

Primeiro contraro de Messi com o Barcelona, em um guardanapo (Foto: Arquivo pessoal / Horacio Gaggioli)

Primeiro contraro de Messi com o Barcelona, em um guardanapo (Foto: Arquivo pessoal / Horacio Gaggioli)

O que muitos desconhecem é que por muito pouco esse processo não foi realizado em outro clube, justamente o maior rival, Real Madrid. Quando Messi estava para deixar Rosario, a única certeza é que ele faria testes na Espanha. O lugar dependia do destino de Horacio.

– Por circunstâncias da vida, fui viver em Barcelona e o levei ao Barça para testes. Estive a ponto de morar em Madri. Se isso tivesse acontecido, eu o teria levado ao Real Madrid. Assim é a vida, são circunstâncias. Ele poderia ser hoje jogador do Real, claro. A família dele queria ir para a cidade onde eu estivesse, para terem um apoio.

Horacio Gaggioli e a família Messi trabalharam juntos por cinco anos desde aquele momento. A gerência da carreira do garoto ficou a cargo do pai, enquanto cabia ao agente dar todo o suporte necessário em Barcelona. Após seguirem caminhos distintos, como define Horacio, as partes acabaram se afastando e hoje não têm mais uma relação próxima.

Horacio Gaggioli (ao lado de Morata) é empresário de Asensio, do Real Madrid (Foto: Arquivo pessoal / Horacio Gaggioli)

Horacio Gaggioli (ao lado de Morata) é empresário de Asensio, do Real Madrid (Foto: Arquivo pessoal / Horacio Gaggioli)

Horacio se sente muito orgulhoso por ter participado do surgimento de Messi e por tê-lo levado ao Barça. No entanto, acredita que não teve na história o merecido reconhecimento por parte do clube.

– Digamos que, a nível profissional, sim, evidentemente tive. Mas posso dizer que tanto para meus sócios da Argentina quanto para mim, que fomos os intermediários de levar um dos melhores jogadores do mundo ao Barça, o reconhecimento por parte da instituição não foi muito bom.

Horacio Gaggioli segue trabalhando com futebol e é empresário de vários jogadores. O principal deles é o promissor meia-atacante espanhol Marco Ansensio, do Real Madrid. Lionel Messi, por sua vez, dispensa apresentações. O craque completará 30 anos de idade neste sábado.

Fonte: Globo Esporte