Putin defende que países dialoguem com a Coreia do Norte em vez de ameaçá-la


000-of2ir
Putin fala em evento em Pequim, nesta segunda (15) (Foto: Alexander Zemlianichenko/AFP)

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira (15) que Moscou se opõe a que novos países adquiram armas nucleares, mas que o mundo deve falar com a Coréia do Norte em vez de ameaçá-la.

Putin disse em Pequim que os testes nucleares do tipo que Pyongyang vinha realizando nas últimas semanas eram inaceitáveis, mas que era necessária uma solução pacífica para aumentar as tensões na península coreana.

“Confirmo que somos categoricamente contra a expansão do clube de potências nucleares, inclusive na Península Coreana e a Coreia do Norte”, disse Putin, que acrescentou que qualquer mudança seria “prejudicial e perigosa”.

“Mas, ao mesmo tempo, entendemos que o que temos observado no mundo recentemente, especificamente violações flagrantes do direito internacional e incursões no território de Estados estrangeiros, mudanças de regime, levam a tal tipo de corrida armamentista”.

O líder russo não especificou que países ele tinha em mente, mas no passado criticou repetidamente os Estados Unidos por operações militares no Iraque, Líbia e Síria, e acusou os americanos de tentar derrubar governos legítimos.

Mulher caminha próximo a TV que mostra noticiário na Coreia do Sul relatando lançamento do míssil no país vizinho (Foto: Lee Jin-man/AP)

Mulher caminha próximo a TV que mostra noticiário na Coreia do Sul relatando lançamento do míssil no país vizinho (Foto: Lee Jin-man/AP)

“Neste sentido, precisamos agir de forma conjunta, (e) fortalecer o sistema de garantias internacionais com a ajuda do direito internacional e com a ajuda da Carta da ONU”, disse Putin.

“Precisamos retornar ao diálogo com a Coreia do Norte e parar de assustá-la, e encontrar maneiras de resolver esses problemas pacificamente.”

O líder russo disse que pensava que tal abordagem era possível por causa do que ele chamou de “experiência positiva” de conversas com Pyongyang no passado.

“Se vocês se lembrarem, houve uma época em que a Coreia do Norte anunciou que estava suspendendo esse tipo de programa (nuclear), mas infelizmente alguns participantes no processo de negociações não tiveram paciência suficiente, acho que precisamos voltar a isso”.

Putin disse que foi informado pelo seu ministro da Defesa após o último teste de mísseis da Coreia do Norte. “Este lançamento de mísseis não representou nenhuma ameaça para nós, mas, naturalmente, aumenta esse conflito e não há nada de bom nisso.”

Teste

A Coreia do Norte confirmou nesta segunda o lançamento com sucesso de um novo tipo de míssil balístico de médio a longo alcance batizado como Hwasong 12, capaz de levar uma ogiva nuclear “de grande tamanho”, informou a agência estatal norte-coreana “KCNA”.

O líder do regime, Kim Jong-un, esteve presente no lançamento deste domingo que, segundo detalhou a agência, aconteceu às 4h58 (horário local, 17h28 de sábado em Brasília).

Pyongyang fez o lançamento com o fim de “verificar as especificações táticas e técnicas do recém desenvolvido míssil balístico capaz de levar uma ogiva nuclear pesada de grande tamanho”

“O projétil atingiu com precisão seu alvo em águas abertas a 787 quilômetros depois de voar a uma altura máxima de 2.111 quilômetros ao longo de sua órbita de voo prevista”, detalhou a “KCNA”.

Observando a operação, Kim advertiu aos Estados Unidos de que “não deveria ignorar ou subestimar a realidade de que seu território e suas operações na região do Pacífico estão na mira de fogo” da Coreia do Norte, segundo declarações citadas pela agência estatal.

O líder norte-coreano ordenou aos cientistas e técnicos que continuem desenvolvendo continuamente armas nucleares mais precisas e diversas, e meios de ataque nuclear”.

A Coreia do Norte advertiu os EUA de que se “tentar provocá-la”, não escapará do pior “desastre da história”.

Fonte: G1