MTE e PMA fiscalizam JBS na capital de MS após vazamento de amônia


Viatura dos bombeiros leva paciente do frigorífico para atendimento (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)
Viatura dos bombeiros leva paciente do frigorífico para atendimento (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)

Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e a Polícia Militar Ambiental (PMA) fizeram vistorias nesta sexta-feira (7), no frigorífico JBS, em Campo Grande.A fiscalização é por conta do vazamento de amônia ocorrido quinta-feira (6) na unidade, fazendo com que 400 funcionários passassem mal.

A PMA vai avaliar se houve algum dano ambiental. Já o Ministéio do Trabalho vai apurar as causas do acidente e saber se o sistema de segurança do frigorífico funcionou, pois unidades desse tipo precisam ter equipamentos que detectam vazamento de gás para alertar os trabalhadores.

“Nós vamos precisar avaliar o ambiente de trabalho como um todo, a planta industrial, o processo produtivo, as funções envolvidas naquela situação, sistema de segurança. Isso pode demandar um tempo considerável, alguns dias ainda, até nós termos o resultado que consigamos indicar ou identificar as possíveis causas desse acidente” explica o auditor fiscal do Ministério do Trabalho, Wallace Pacheco.

Vazamento de amônia
Dez viaturas do Corpo de Bombeiros e seis do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram chamadas para socorrer funcionários do frigorífico JBS.

Doze pessoas foram levadas para hospitais da cidade, entre elas quatro mulheres grávidas. Vários outros funcionários procuraram as unidades de saúde por conta própria. Alguns foram socorridos por motoristas que passavam em frente à empresa.

Todos os funcionários que chegavam para trabalhar no turno da tarde foram mandados de volta para casa por que o frigorífico foi interditado.

No momento do acidente muitos funcionários estavam no vestiário, que fica ao lado do local do vazamento. A unidade da JBS de campo grande é a maior do Centro-Oeste e uma das maiores do Brasil, onde trabalham aproximadamente 1400 funcionários.

Confira na íntegra a nota da JBS sobre o vazamento na unidade de Campo Grande:

“A JBS esclarece que na tarde de hoje (06) houve um vazamento de amônia em sua unidade de Campo Grande (MS), localizada na Rod. BR60,  que foi rapidamente controlado. Por precaução, a unidade foi imediatamente evacuada. Alguns colaboradores foram encaminhados aos postos de saúde locais e todos estão fora de risco. A JBS informa ainda que as causas do ocorrido estão sendo apuradas pela empresa. As operações estão temporariamente suspensas até que o local seja liberado pelo Corpo de Bombeiros”.

Funcionários da JBS são socorridos na beira da rodovia BR-060 (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)
Funcionários da JBS são socorridos na beira da rodovia BR-060 (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)

Uma gerente do Centro Regional de Saúde (CRS) do bairro Coophavila, em Campo Grande, passou mal enquanto fazia os atendimentos iniciais aos pacientes que deram entrada na unidade.

Ela foi levada para atendimento no Hospital Regional, também na capital sul-mato-grossense.
Segundo funcionários do CRS, ela tem problemas respiratórios e não estava usando máscara. Após a gerente passar mal, os funcionários que atendiam os pacientes da JBS passaram a usar máscaras.

Outros casos
Este foi o terceiro acidente semelhante em seis meses, em Mato Grosso do Sul. Em outubro do ano passado e em fevereiro deste ano vazamentos de amônia aconteceram em um frigorífico da Marfrig, em Bataguassu, a 322 quilômetros de Campo Grande, 29 pessoas foram intoxicadas.

Funcionários voltam para a área do frigorífico (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)
Funcionários fugiram por causa do vazamento de amônia (Foto: Dyego Queiroz / G1 MS)

Fonte: G1