Juizado da Infância e Juventude realiza mutirão em abrigos de Teresina


Com o objetivo de dar celeridade ao andamento dos processos de crianças e adolescentes acolhidos institucionalmente, foi aberto, nesta segunda-feira (3), no auditório do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), o mutirão de audiências concentradas.
O mutirão é uma orientação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em que é recomendado aos Tribunais de Justiça de todo o país que sejam realizadas, a cada seis meses, visitas dos juízes da Infância e Juventude aos abrigos responsáveis pelo acolhimento dos menores em condição de vulnerabilidade, a fim de rever a situação processual dessas crianças e adolescentes.
A Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social (SEMTCAS) desenvolve, atualmente, o trabalho de acolhimento a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e cumprimento de medidas socioeducativas nos abrigos: Casa de Punaré, Casa Reencontro e através do Programa Família Acolhedora.
Luciana Dias, gerente da Casa Reencontro, destaca que a iniciativa do mutirão aproxima o juizado da realidade das crianças. “Com esse contato direto entre a equipe do abrigo e os juízes, além da própria família, fica mais perceptível a necessidade daquelas crianças. O juizado, estando lá, dá esse suporte a toda a Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente e garante uma visão mais ampla da realidade de cada acolhido”, afirma.
Segundo o secretário municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social, Samuel Silveira, a Prefeitura têm atuado de forma intensiva na proteção e garantia dos direitos da criança e do adolescente. “A SEMTCAS atua diretamente no amparo aos menores em situação de vulnerabilidade, através de programas específicos como o “Família Acolhedora” e os abrigos, mas, também, por meio da prevenção de situações de risco e fortalecimento de vínculos. Trata-se de um trabalho de parceria entre todos os agentes integrantes da Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente, a fim de oferecer um acolhimento que seja verdadeiro e eficaz”, finaliza o secretário.