Médicos da rede estadual paralisam atividades e ameaçam entrar em greve


Reivindicando reajuste salarial, os médicos da rede pública estadual suspenderam o atendimento nesta segunda (03), a paralisação no entanto, não atinge casos de urgência e emergência. A categoria ameaça entrar de greve caso não haja acordo com o Governo.

“A situação é grave. Há dois anos, o secretário de Governo alegou o limite de responsabilidade fiscal para não conceder o reajuste. Só que o Estado saiu desse limite…Foram dois anos de reunião no Ministério Público e no Tribunal de Contas do Estado para o secretário de Administração dizer agora que nunca participou de negociação. Se o reajuste não for concedido, a Saúde do Estado vai parar…não temos mais como continuar “, disse Samuel Rego, presidente do Sindicato dos Médicos do Piauí (Simepi).

A mobilização dos médicos acontece em frente ao laboratório azul, no Hospital Getúlio Vargas, no centro de Teresina. A categoria solicita uma audiência com o governador Wellington Dias para discutir a situação.

Lúcia Santos, diretora do sindicato dos médicos e da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), ressalta que, além do reajuste salarial, a categoria reinvindica a realização de concurso público e melhoria na estrutura dos hospitais estaduais, entre outros.

*Informações Cidade Verde