Para manter-se à frente de Donald Trump, Hillary Clinton faz ataque ao FBI


"É muito estranho colocar algo assim, com tão pouca informação, um pouco antes de uma eleição", disse Hillary EPA/Craig Lassig/Agência Lusa
“É muito estranho colocar algo assim, com tão pouca informação, um pouco antes de uma eleição”, disse Hillary EPA/Craig Lassig/Agência Lusa

A candidata do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, lançou um duro ataque ao diretor do FBI (polícia federal norte-americana), James Comey, um dia depois de este ter revelado que as autoridades policiais estavam examinando o conteúdo de mais um lote de mensagens de e-mail da candidata democrata e de uma assessora próxima. “É muito estranho colocar algo assim, com tão pouca informação, um pouco antes de uma eleição”, disse Hillary Clinton em um comício neste sábado (29) em Daytona Beach, no estado da Flórida.

“Na verdade, não é apenas estranho. É sem precedentes e profundamente preocupante”, acrescentou a candidata. As eleições serão em 8 de novembro de 2016.

O anúncio de Comey, feito na sexta-feira (28), abalou a campanha presidencial de Hillary Clinton, que vinha crescendo na preferência dos eleitores. Há dúvidas se a tendência em favor da candidata democrata vai se manter nas próximas pesquisas e se o Partido Democrata ainda tem ambição de conquistar a maioria nas duas casas do Congresso norte-americano, hoje nas mãos dos republicanos.

Ao fazer o anúncio sobre os e-mails de Hillary, em carta enviada ao Congresso dos Estados Unidos, James Comey disse que as mensagens “parecem ser pertinentes” a uma investigação anterior, sobre o uso, por Hillary Clinton, de um servidor privado para enviar e receber informações classificadas como de uso restrito do governo. A investigação encerrou-se em julho de 2016 sem acusação formal contra Hillary.

Dirigindo-se neste sábado às pessoas presentes a seu discurso, Hillary disse: “Agora, tenho certeza de que alguns de vocês podem ter ouvido falar de uma carta que o diretor do FBI enviou ontem [sexta-feira, ao Congresso]”. Numa demonstração de que está considerando o anúncio do FBI como uma ameaça à sua candidatura, Hillary acrescentou: “Bem, se você é como eu, provavelmente tem algumas perguntas sobre isso”.

Hillary Clinton também acusou o candidato do Partido Republicano, Donald Trump, de estar aproveitando o anúncio do FBI para pedir também que as autoridades investiguem os conteúdos dos e-mails.”Ele [Donald Trump] está fazendo o seu melhor para confundir, desencaminhar e desencorajar o povo americano”, disse Hillary.

As mensagens que estão sendo examinadas pelo FBI foram descobertas em uma investigação, inicialmente sem nenhuma relação com Hillary Clinton, sobre o ex-deputado democrata Anthony Weiner. O parlamentar renunciou a seu mandato em junho de 2011, depois que foram divulgadas pela imprensa vários escândalos envolvendo a sua vida privada.

A investigação do FBI está também envolvendo Hillary Clinton porque a principal assessora da candidata democrata, Huma Abedin, é ex-mulher de Anthony Weiner. Segundo o FBI, os computadores pessoais de Huma, que antes eram compartilhados com seu ex-marido, continham mensagens oficiais do governo norte-americano referentes ao período em que Hillary foi secretária de Estado. Hillary foi secretária de Estado no período de 2009 a 2013.

 

Fonte: Agência Brasil