Polícia diz que não havia bomba em mochila deixada em frente ao Banco Central


Equipe do Bope faz varredura após suposta ameaça de bomba no Banco Central, em Brasília, na manhã desta quarta-feira 926) (Foto: Elielton Lopes/G1)
Equipe do Bope faz varredura após suposta ameaça de bomba no Banco Central, em Brasília, na manhã desta quarta-feira 926) (Foto: Elielton Lopes/G1)

A Polícia Militar (PM) descartou que houvesse bomba em uma mochila deixada hoje (26) na rampa de acesso ao Banco Central (BC), em Brasília. Segundo policiais que estavam no local, dentro da mochila havia apenas roupas velhas. Mais cedo, o local foi isolado, mobilizando a PM e o Corpo de Bombeiros.

A polícia precisava verificar se havia algum material explosivo dentro da bolsa. Com isso, o primeiro e o segundo andares do prédio foram esvaziados por precaução. Os demais andares do prédio ficaram com o funcionamento normal.

Segundo a assessoria de imprensa do BC, a suspeita é que a mochila é objeto de furto ou roubo e foi deixada no local.

Itens achados dentro de mochila abandonada em frente ao Banco Central, em Brasília: tênis, desodorante aerosol, agenda, pasta com papéis, fone de ouvido, roupas, sacola plástica, escova de dentes, cabos, caixa de perfume, lanterna, estilingue, vidro e perfume (Foto: Elielton Lopes/G1)
Itens achados dentro de mochila abandonada em frente ao Banco Central, em Brasília: tênis, desodorante aerosol, agenda, pasta com papéis, fone de ouvido, roupas, sacola plástica, escova de dentes, cabos, caixa de perfume, lanterna, estilingue, vidro e perfume (Foto: Elielton Lopes/G1)

Entenda o Caso

A Polícia Militar isolou na manhã desta quarta-feira (26) a entrada principal do Banco Central, na área central de Brasília, após receber denúncia de suposta ameaça de bomba. Uma bolsa preta foi deixada em frente ao prédio. Uma das faixas do Eixão foi interditada, e o trânsito na região ficou lento. Varredura feita pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) descartou a existência de explosivos.

O esquadrão antibombas do Bope deu início à inspeção antes das 9h. Um robô foi utilizado para fazer um raio X da mala. Por volta de 9h40, servidores informaram que havia tênis, desodorante aerosol, agenda, pasta com papéis, fone de ouvido, roupas, sacola plástica, escova de dentes, cabos, caixa de perfume, lanterna, estilingue, um vidro e perfume dentro da bolsa.

O Corpo de Bombeiros também havia enviado equipe ao local, para verificar a possibilidade de haver gases nocivos no pacote. Ao todo, foram mobilizados cerca de 30 militares das duas corporações.

O Banco Central disse suspeitar que a mochila tenha sido furtada. Imagens do circuito de segurança da instituição, que não serão liberadas, mostram um homem jogando a mochila e saindo correndo em seguida. A perícia vai ser acionada para identificar o proprietário da bolsa.

A denúncia de suposta ameaça de bomba chegou à Polícia Militar por volta de 6h50, pelo 190. A entrada de trás do banco, usada pelos funcionários, não foi interditada durante a operação. O primeiro andar, o térreo e o primeiro subsolo foram evacuados por precaução e liberados assim que a PM descartou a presença de explosivos.

 

Fontes: Agência Brasil e G1