Corpo de Carlos Alberto Torres é velado na CBF


No tour da Taça Fifa antes da Copa de 2014, realizada no Brasil, Carlos Alberto Torres repetiu o beijo que dera na Jules Rimet em 1970. Capitão ganhou títulos como jogador e técnico (Foto: Gaspar Nobrega / Inovafoto Divulgação)
No tour da Taça Fifa antes da Copa de 2014, realizada no Brasil, Carlos Alberto Torres repetiu o beijo que dera na Jules Rimet em 1970. Capitão ganhou títulos como jogador e técnico (Foto: Gaspar Nobrega / Inovafoto Divulgação)

Parentes e amigos começaram a se despedir do ex-jogador e capitão da Seleção na Copa de 1970, Carlos Alberto Torres. Após quase duas horas de atraso, o carro da funerária que transportou o corpo chegou à sede da CBF por volta de 22h30. A primeira hora no auditório da entidade foi destinada para amigos e familiares próximos. Em seguida, imprensa e fãs, que chegaram aos poucos, também tiveram a entrada liberada. O início do velório estava marcado para as 20h, mas o veículo que levaria o caixão até o hospital quebrou e precisou ser substituído. Assim, o corpo de Torres só deixou o hospital no Recreio dos Bandeirantes às 21h25. Os ex-jogadores Petkovic, Gonçalves, Leandro Ávila e Bebeto marcaram presença, assim como Edu (irmão de Zico), Ricardo Rocha, Edinho, Mauro Galvão e Roberto Dinamite, entre outros….

A demora na chegada do carro condutor deixou a família impaciente. A indicação foi do próprio hospital. Carlos Alberto Torres faleceu nesta terça-feira vítima de um enfarte. Ele estava em casa fazendo palavras cruzadas quando se sentiu mal. O ex-jogador foi levado para o hospital pela esposa. Os médicos tentaram reanimá-lo por 30 minutos, mas ele não resistiu.

Alexandre Torres, o filho de Carlos Alberto, falou com a imprensa e humanizou a imagem do Capita, conhecido pela maioria das pessoas apenas pelo que fez em campo. O ex-defensor de Fluminense e Vasco fez questão de ressaltar o outro lado do pai.

roberto dinamite no velório de carlos alberto torres (Foto: Thierry Gozzer / GloboEsporte.com)
Roberto Dinamite no velório do Capita (Foto: Thierry Gozzer / GloboEsporte.com)

– A história do jogador, do capitão, está eternizada. A saudade vai ser como chefe de família, pai, avô, bisavô. Tinha grande coração, era amigo das pessoas, gostava de reunir os amigos. Da carreira dele não tem mais o que falar, já está na história. Meu pai jogou em várias equipes do país, mas era uma figura nacional. Sobre homenagens, não pensei nisso. Como filho, não é minha preocupação.  Precisa partir das pessoas.

Presente no velório, Mauro Galvão conta que teve a honra de conhecer o Capita fora do campo.

– Exemplo muito grande em todos os setores onde passou. Perda grande, vamos sentir falta e era garoto e pude ver o feito de 70. É uma mistura de lembrança bonita da conquista. Ficou marcado. Conheci fora do campo pelo Torres. Jogamos juntos no Vasco. Um cara tranquilo e preparado. Era um lateral que fazia gols, marcava bem e depois jogou muito bem de zagueiro também, tamanha era sua qualidade – disse.

Roberto Dinamite foi outro que apareceu na sede da CBF para prestar sua homenagem ao eterno capitão da seleção brasileira.

Petkovic velório Carlos Alberto Torres (Foto: Thierry Gozzer e Lucas Loos)
Petkovic compareceu ao velório de Carlos Alberto Torres (Foto: Thierry Gozzer e Lucas Loos)

– Grande líder e capitão.  Não só do Brasil, mas do futebol, por onde passou. Respeito, exemplo, capitão de uma seleção que só tinha craques. É a vida, está descansando e vamos ficar aqui lembrando desse grande atleta e homem. Peguei ele no final da carreira, jogando contra, convivi com o filho. Nos encontrávamos. Sempre com diplomacia e pela linha de conduta dele era uma pessoa que unia e tinha liderança sem ter que gritar muito – disse o ex-presidente do Vasco.

Durante toda a tarde, dezenas de coroas de flores chegaram até o local. O velório segue até meia-noite no auditório da CBF e voltará a ser aberto ao público e amigos na quarta-feira, das 6h às 9h. O enterro está marcado para às 11h, no cemitério de Irajá, Zona Norte do Rio de Janeiro.