Detentas do Piauí apresentam peça teatral no Maranhão


As reeducandas da Penitenciária Feminina de Teresina fizeram, nesta quarta-feira (27), a primeira apresentação do espetáculo Cartas de Minha Vida fora do Piauí, dentro da programação da Semana de Valorização da Mulher, realizada em Timon, no Maranhão.

Detentas do Piauí apresentam peça teatral no Maranhão. Foto:Ascom Sejus
O evento, que aconteceu no Fórum Municipal de Timon, contou, dentre os espectadores, que com 14 internas da Penitenciária Feminina da cidade. A peça, apresentada por sete reeducandas, faz parte do projeto Mulheres de Aço e de Flores, desenvolvido pela Secretaria de Justiça do Piauí.
Detentas do Piauí apresentam peça teatral no Maranhão. Foto:Ascom Sejus

A peça Cartas de Minha Vida trata das experiências das reeducandas e baseia-se também na vida da pintora mexicana Frida Kahlo. Para a detenta Elza Bellini, a apresentação em Timon é a prova de que novos horizontes são possíveis para as reeducandas.

 

“É muito bom saber que as nossas vozes podem alcançar novos espaços e estar aqui, hoje, é bom também, porque outras reeducandas assistiram e terão como exemplo”, diz.

O diretor-geral da Penitenciária Feminina de Timon, Ederson da Silveira Costa, comemorou a oportunidade de as internas do presídio maranhense terem contato com o projeto do Piauí. “Para nós, é um dia muito importante, já que elas puderam vivenciar mais uma troca de experiência sobre o sistema penitenciário do Piauí, que vem mostrando seu trabalho de ressocialização”, enfatiza, ressaltando que a unidade prisional maranhense também vai desenvolver iniciativas semelhantes.

Detentas do Piauí apresentam peça teatral no Maranhão. Foto:Ascom Sejus
De acordo com o subsecretário de Justiça do Piauí, Carlos Edilson de Sousa, o projeto Mulheres de Aço e de Flores representa um importante passo na ressocialização. “Estamos expandindo esse projeto que nos orgulha e que está resgatando vidas. O respaldo, tanto social como no tocante à questão da humanização no sistema prisional, comprovam que ressocializar é possível, desde que as pessoas privadas de liberdade tenham oportunidades para mudar”, comenta.
Detentas do Piauí apresentam peça teatral no Maranhão. Foto:Ascom Sejus