Ministério Público e entidades se reúnem em audiência para tratar sobre Estádio Albertão


Com o objetivo de resolver deficiências relacionadas à infraestrutura do Estádio Governador Alberto Tavares Silva (Albertão), o Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI) realizou audiência nesta quinta-feira (28), na sede da Procuradoria Geral de Justiça, com representantes da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros, Fundação dos Esportes do Piauí (Fundespi) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SEMDUH).

O Ministério Público recebeu quatro laudos de vistorias, dois de segurança da Polícia Militar, um da vigilância sanitária e o último de engenharia, que constataram diversos problemas como, por exemplo, falha na iluminação no entorno do estádio, falta de uma central de monitoramento, ausência de câmeras de vigilância e a presença de objetos que podem ser usados para agressão entre os torcedores.

De acordo com a Promotora Graça Monte Teixeira, o Estádio Albertão precisa de adequações estruturais, como a implantação de catracas para controle da entrada de torcedores, e principalmente, falta segurança, prevista pelo Estatuto do Torcedor. “Se não existe uma estrutura mínima que garanta a segurança dos torcedores, não é possível que o Estádio receba uma grande quantidade de pessoas. Nosso foco é garantir que o torcedor não tenha riscos à sua saúde e segurança”, pontuou.

Representando a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano – SEMDUH, Edsen Vieira, afirmou que a secretaria está realizando manutenção regulares nas ruas próximas ao estádio, que são de competência da Prefeitura de Teresina. “Na parte de iluminação podemos verificar novamente, quais falhas persistem e corrigir, no entanto o que não cabe ao município não podemos muita coisas”, disse.

Diante deste cenário o Ministério Público emitiu duas recomendações; a primeira para o Governo do Estado, Fundespi e o município de Teresina para que realizem a limpeza dos arredores do Albertão. A segunda recomendação, feita à Fundespi, Federação de Futebol do Piauí e a Confederação Brasileira de Futebol – CBF, diz respeito a limitação de público a 10 mil pessoas, enquanto não ocorra a instalação das centrais de monitoramento.

O representante da FUNDESPI, José Ribamar, disse que o Albertão precisa de uma reforma completa. Mas, explicou que o Governo do Estado, não possui capacidade financeira de realizar tal reforma.

Após a reunião ficou acertado que o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar realizarão visita ao Estádio Albertão para indicar o local para instalação de Posto Policial, como recomenda o Ministério Público. A Fundespi deve providenciar ainda central de monitoramento, instalação de catracas eletrônicas, iluminação externa, e troca dos portões.

Torcidas Organizadas

Após audiência, a Promotora Graça Monte Teixeira declarou que, diante dos últimos acontecimentos registrados, vai solicitar à justiça a proibição do acesso de torcidas organizadas aos estádios de Teresina por até 5 anos.