Marta se junta à seleção e fala de pressão: ‘Fardo’


Marta comenta pressão na busca pelo ouro. Foto: Emilio Botta
Marta comenta pressão na busca pelo ouro. Foto: Emilio Botta

A seleção brasileira feminina está completa. Marta já está em Itu, no interior de São Paulo, e treina normalmente com o restante do elenco, que irá brigar pelo inédito ouro para o Brasil no futebol feminino nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Cinco vezes eleita a melhor jogadora do mundo pela Fifa e com duas medalhas de prata, Marta vive a expectativa do que pode ser a sua última Olimpíada. Na sua avaliação, a cobrança sobre ela é a mesma que Neymar tem no masculino.

– O Neymar sem dúvida é o cara que todos depositam a maior confiança de medalha. É algo normal, você acaba tendo um destaque maior quando faz um trabalho diferenciado. É importante você saber que a responsabilidade não está apenas em uma atleta, é preciso dividir isso no dia a dia. Eu faço isso por aqui e espero que o Neymar também faça porque é um fardo muito pesado para carregar – analisa a camisa 10 da seleção brasileira.

A responsabilidade de Marta parece se estender para fora do campo. Uma das mais experientes do elenco ao lado de Formiga e Cristiane, ela admite que aconselha as novatas e que é necessário transformar a pressão em algo positivo.

– A experiência de ter participado algumas vezes e estar na seleção há bastante tempo facilita no sentido de dar uma palavra para as meninas que irão disputar a primeira Olimpíada. Sei como é, a pressão vem de todos lados e sabemos disso. Vamos nos ajudando – disse.

O grande desejo de Marta e cia. é repetir o desempenho dos Jogos Pan-Americanos de 2007 quando, no Rio de Janeiro, a seleção feminina arrastou uma multidão e subiu no lugar mais alto do pódio.

– Fizemos história no Pan, quase 70 mil pessoas na final. Estamos vivendo a expectativa de reviver o que aconteceu. Acredito que as meninas que participaram daquela conquista, agora vivem a expectativa de poder repetir isso – relembra.

A seleção brasileira feminina fica em Itu até a próxima quarta-feira, quando viaja para Fortaleza. Na capital cearense, faz o último amistoso antes da estreia na Olimpíada. A partida é diante da Austrália, que eliminou o Brasil nas oitavas de final do Mundial de 2015. O GloboEsporte.com acompanha o confronto em Tempo Real. A primeira partida nos Jogos Olímpicos será contra a China, dia 3 de agosto, no Engenhão, às 16h (de Brasília). No Grupo E, o Brasil tem ainda como adversárias Suécia e África do Sul.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Marta:

O primeiro treino

Fizemos várias transições, corremos bastante, mas foi legal. Vamos ver o que acontecer agora antes do embarque para Fortaleza.

Crise administrativa na CBF

Se existe alguma diferença nós não percebemos da parte negativa. Sentimos a diferença no desenvolvimento, que é melhor e as condições de trabalho no dia a dia. Tentemos não nos envolver com isso e parte de administração cabe a eles analisar se está bom ou ruim. Para nós está muito bom.

Concorrência pelo ouro

Os Estados Unidos, atuais campeãs olímpicas, a Alemanha, que sempre cresce neste tipo de competição, a França, que tem uma equipe muito boa e a Austrália, que nos eliminou no Mundial. É complicado falar, tem inúmeras equipes boas e ninguém virá ao Brasil passear.

Apoio da torcida

É um momento especial, estaremos na nossa casa e talvez o torcedor seja o nosso principal jogador. A ficha está começando a cair, estamos entrando no clima e o único assunto é a Olimpíada.

Pressão pelo ouro

Desde que se formou uma seleção e o apoio era menor, já exista cobrança. No Brasil, o segundo lugar é menos do que nada, senão teríamos uma situação melhor pelas duas pratas que conseguimos. Não podemos nos cobrar muito, das outras vezes nos cobramos muito e isso atrapalhou.

Vírus da zika e gravidez

Todo mulher deseja (engravidar). Não conversamos sobre isso, eu também não tenho tanta informação. Uma ou outra jogadora fora do país me perguntou sobre o vírus, mas sei apenas por comentários. Não sou a pessoa certa para responder isso, minha área é outra, mas estou tentando me proteger ao máximo.

Medo de atentados terroristas

A gente ouve comentários, mas ninguém diretamente me falou sobre isso. Todos estão ansiosos, mas no bom sentido. A única coisa que a gente espera é que o ouro fique aqui no Brasil.

Vila Olímpica

A vantagem é você ter a oportunidade de encontrar outras atletas e vivendo um ambiente de várias culturas. A desvantagem é o de algumas atletas se deslumbrarem com isso, mas estamos focadas para saber a hora certa de fazer as coisas.

Presença em Tóquio 2020

Você está me convidando? Vou na hora. Deixa as coisas acontecerem naturalmente. Se não for como atleta, que seja como turista. O Japão é um país maravilhoso e gostaria muito de ir.

 

Fonte: Globoesporte.com